RESENHA — Sombras, Eduardo Sabino

Resenha por: Anna Carolina Rizzon

NOTA: 4,5/5

Eduardo Sabino foi o vencedor do concurso Brasil Em Prosa, o qual visava, através de avaliação por uma bancada de jurados envolvidos com Literatura, premiar o melhor miniconto publicado na Amazon. O concurso foi promovido pelo GLOBO em parceria com a plataforma digital e com apoio da Samsung.

O angariado foi “Sombras”, disponível para compra aqui.

Matheus era a nossa referência, o único que lia partituras. Com seus solos, as canções ganhavam beleza e potência. Tocar na garagem de Matheus com a banda, fechar os olhos e sentir a música, distinguir o som de cada instrumento e ver o modo como eles se combinavam em perfeito equilíbrio era o meu modo de sentir o que outras pessoas sentem em uma igreja, em um terreiro ou em um templo budista. O sentimento oceânico, a alegria plena, o reino de Deus.

Sabino acertou, sobretudo, no tema. Vivemos um momento delicado em termos de religião no Brasil; o cristianismo está abalado, a contestação se intensificou. O conto reflete isso, e fala direto aos mais contestadores: os jovens. Ponto extremamente positivo porque é um problema contemporâneo e, hoje, intrínseco à sociedade brasileira.

Acertou também na maioria das metáforas (associar Deus a uma história infantil, o gigante do João, foi uma jogada exemplar. Esse trecho, por mim, valia um conto por si) e não escorregou em rodeios, evitando converter o texto para um lirismo enfadonho.

Captou bem a essência de seu público-alvo inserindo um cotidiano familiar e uma frustração comum (o sonho interrompido), além, claro, do bônus (embora clichê) “banda de rock = música do capeta”. Também foi sensível ao tratar, enquanto contesta seu papel, a necessidade da religião. Equilibrou os dois, oferecendo reflexões que poderiam ser mais aprofundadas havendo maior limite de caracteres.

O título associa-se à clássica anedota de Platão, “O mito da caverna”. Batido, mas bem desenvolvido, permeia a narrativa através da relação do protagonista com seu avô – uma escolha que reforça a questão, levantada por Sabino, da influência da família na religiosidade dos jovens.

No todo, e considerando que o meu problema com o texto é puramente pessoal, entende-se o porquê de ter ganhado o concurso.

Disponível para leitura gratuita no site oficial d’O Globo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s